Foi na fazenda Chico Pio, da família Andrighetto, localizada no leste de Mato Grosso do Sul, que conheci um ousado projeto pecuário de ciclo completo, sendo administrado por Francisco João Andrighetto e gerenciado pelo Claudio, seu braço direito. Nessa fazenda, de origem agrícola, estão sendo paulatinamente formados pastos com cultivares de alta produção, os quais serão irrigados com o chorume do confinamento, afim de manter a recria dos produtos de cruzamento nessa área até que atinjam em torno de 350 kg.

Desses pastos, seguem para as baias de confinamento totalmente cobertas. Tal cobertura permite aproveitar a água da chuva, a qual cai para um tanque de alguns milhões de litros. Essa água é utilizada para as lavagens semanais do piso do confinamento.

A planta das baias cobertas do confinamento foi estrategicamente projetada com três canaletas de 1 metro cada, que passam abaixo de todo o piso da baia, para recolher o esterco liquido, resultado da lavagem do piso. Todo o chorume fica num tanque de coleta fermentando por até uma semana, onde é distribuído por irrigação aos pastos dos machos de recria.

Quanto às matrizes, o projeto conta com silagem (atualmente de milho, mas futuramente será feito de capim) para alimentar todas as vacas, mantendo uma lotação de 40 vacas/ha, podendo chegar a 60 vacas/ha. Francisco está ciente que os piquetes das vacas sofrerão com pisoteio, chegando a ficar futuramente sem pasto algum, mas, dessa forma, conseguirá manter cada 1.000 vacas em 50 ha da fazenda. Pelos seus cálculos, esse sistema de produção pecuária dará o dobro de lucro que a soja vem dando a família.  Toda sorte do mundo à família Andrighetto, pois competência já possuem de sobra.

 

Da esquerda pra direita: Beto Guimarães, consultor; Francisco João Andrighetto, proprietário; Lucas, consultor;  Alexandre Prata, veterinário, e Cláudio, gerente da fazenda.

No vídeo abaixo, Francisco João Andrighetto explica como funciona o projeto. Confira: