No quadro Zadra Responde, do programa Giro do Boi, no Canal Rural, Alexandre Zadra responde a pergunta do pecuarista Schubert, que mora em São José dos Campos (SP) e tem fazenda no estado da Região Norte.

Pergunta:

Tenho uma propriedade em Rondônia. Você fala muito da fêmea F1 Angus x Nelore, o que lá não é fácil a gente achar para poder recriar e utilizá-la. A dúvida é: esta fêmea F1 Angus x Nelore suporta o calor de Rondônia realmente? Schubert – São José dos Campos (SP).

Resposta:

Sua dúvida é interessante. Toda fêmea que vai ser utilizada como matriz deve ter em seu sangue 50% de sangue de raças tropicais, que seria zebuíno ou Senepol ou Caracu. Somando estas três raças, você consegue fazer uma fêmea de qualidade, com pelo curto, liso e brilhante para o Centro-Norte do País. Esta fêmea de fato faz jus ao seu apelido. Eu apelidei de “Rainha da Pecuária” esta fêmea Angus x Nelore porque com ela, tanto você pode utilizar para fazer carne de qualidade, onde os restaurantes, hotéis querem esta carne gourmet, uma carne muito boa, de bom mármore e maciez quando bem terminada, como outro fator, o principal que eu falo. A principal utilização desta fêmea F1 é utilizá-la como matriz. Eu estou há 30 anos no campo e a gente vê bem as fêmeas F1 europeias com Nelore vivendo muito bem no Centro-Norte do País com pelo zero, pelo curto, liso e brilhante, que basta para que ela seja adaptada.

Assista o vídeo da resposta clicando na imagem abaixo: