Nesta quarta-feira, 17, Alexandre Zadra respondeu mais uma pergunta de telespectador do quadro Zadra Responde, no programa Giro do Boi. Confira:

Pergunta:

Vou produzir carne premium cruzando Charolês com vaca F1 Angus? Jean Carlos, Japorã (MS).

Resposta:

O cruzamento de Charolês e F1 Angus gera um tricross de altíssimo potencial de ganho de peso. Entretanto, será um animal que precisa de comida pós-desmama.

NUTRIÇÃO

tricross vai bem até a desmama, mas depois precisa de reforço na alimentação, como, por exemplo, um sistema de integração lavoura-pecuária. Agora, lembre-se que ¾ europeu, ou seja, esse filho de Charolês sobre a sua meio-sangue Angus, é um animal de alto metabolismo.

Eu recomendo que você desmame, jogue na integração lavoura-pecuária ou diretamente no cocho para que ele seja um superprecoce, ou seja, abatido com até 13 ou 14 meses e muito pesado. Ele tem potencial para isso.

Do mesmo modo, usar somente pasto na dieta do gado Charolês cruzado com F1 europeu não trará bom resultado. Se você jogar esse ¾ europeu no pasto, ele diminui muito o potencial de ganho de peso dele porque ele não tem conforto térmico no verão, principalmente aquela época que não chove. Entre setembro e outubro esse ¾ europeu sofre demais.

Contudo, com o sistema produtivo adequado, o tricross de gado Charolês com Nelore x Angus vai apresentar conforto térmico no sul de MS. Sempre tem uma frente fria que ele vai aguentando com conforto térmico. Ele vai ter conforto térmico razoável no inverno do sul de Mato Grosso do Sul.

QUALIDADE DE CARNE

Embora a carne produzida pelo cruzamento entre Charolês com Nelore x Angus não seja reconhecida como um produto premium, ela será bastante macia e diferenciada. Porém, só será possível buscar as características desde que o animal seja bem criado, recriado e abatido precocemente.

Assista a resposta completa pelo vídeo a seguir: